Curso Social Learning – Como utilizar as Redes Sociais a favor da educação corporativa e continuada

Apresentação 

Viver, conviver, compartilhar, curtir, seguir, traz uma nova forma desbravar a informação, provocar a aprendizagem por multi meios e construir espontaneamente o conhecimento. Fazer parte de uma “sociedade em rede” (CASTELLS, 2000) não é mais uma opção, e sim, uma realidade que não dá para adiar.

O cibermundo está presente diariamente, e, é impulsionado pelo fenômeno da cibercultura, e favorecido pela diversificação das TIC’s (Tecnologias da Informação e da Comunicação), e traz consequências representativas e significativas no modo de aprender e ensinar. Para Moraes (2003), ” essa nova realidade influencia não só a maneira de se trabalhar em educação, mas também a maneira de preparar o indivíduo para uma sociedade, para o mundo do trabalho e para o aprendizado contínuo.”

Essa nova realidade faz com que se re invente novas possibilidades educacionais tanto no modo físico-presencial quanto no ciberespaço. O cenário de comunicação é repleto de mídias e outras fontes de informação propiciando a aprendizagem ainda mais imersa e interativa, as relações de trabalho e as necessidades de formação e capacitação profissional contínua.

Aos poucos o “estar ciber” transcende para “ser ciber”, com isso rompe algumas barreiras no que se diz a respeito ao e-learning (aprendizagem mediada por computadores), ao m-learning (aprendizagem acessada por dispositivos móveis). Mais recentemente, o u-learning (aprendizagem ubíqua – aliada as tecnologias sensoriais e de localização). Independentemente da forma de apresentação dos meios para aprendizagem (e-learning, m-learning e u-learning), o social learning ou aprendizagem social, ganha mais adeptos, da mesma forma viral das redes sociais de relacionamento, não só pela facilidade de navegação desterritorializada dos cibernautas, mas sim, pela disposição imensa de formas de aprender para aprender.   Podemos citar: Google Docs, SlideShare, Facebook, Youtube, Twitter, Flickr, eWiks, Moodle, Linda, LiveMocha, SuccessFactors, dentre outras.

Após 15 anos, estamos começando a colher, mensurar e analisar métricas, como ROI (return on investment) do impacto da internet e das tecnologias  interativas têm sobre a educação e aprendizagem, em especial as que permeiam as ações presentes na educação corporativa.

Assim como as universidades, as empresas também estão começando reformular o seu ambiente de aprendizagem para apoio a treinamentos, capacitação e aprimoramento profissional, dispondo de recursos físicos e digitais. Estes ambientes promovem e motivam a aprendizagem social e colaborativa, contribuindo para o desenvolvimento de competências e habilidades estratégicas para atual economia globalizada e digital.

Principais temas

•Visão Geral da Educação e Universidades Corporativas no Brasil

•Conceitos e diversos aspectos do e-Learning, m-Learning e u-Learning

•Mediação e intermediação das Redes Sociais ao processo de aprendizagem

•O impacto e métricas das Redes Sociais ao processo de aprendizagem

•Redes Sociais: Por que utilizá-las na Educação Corporativa e Continuada?

•Redes Sociais e Jogos Digitais Empresariais para processo de aprendizagem

•Social Learning – Usar ou Agir?

•Social Learning – Um canal de conteúdo colaborativo para fornecer cadeias de relacionamento

•Cyberbulliyng nas Empresas – Fator limitador do uso das Redes Sociais nas Organizações

Docente

Karen Reis têm mais 18 anos de experiência profissional e vivência no gerenciamento e implementação de Cyberbusiness (Business Games, Marketing Games, Social Commerce, e-Commerce, e-Marketplaces, Suplly Chain Management e CRM/DBM) para fornecer cadeias de relacionamento B2B e B2C atuando em empresas Multinacionais e Nacionais. Empreendedora Digital. Mestre em Tecnologias de Inteligência e Design Digital, Pós-Graduada em Administração de Marketing e Psicanálise e Bacharel em Administração de Empresas. Pesquisadora em Tecnologias de Inteligências e Ambientes Interativos para Gestão de Demanda no ciberespaço pela PUCSP/TIDD; Professora Universitária, Pós-graduação e Extensão nas disciplinas: Jogos Digitais Empresariais, Cibernegócios, Comércio Eletrônico, Social Learning, Pesquisa & Análise de Mercado. Experiência nos seguintes mercados: serviços, editorial, farmacêutico, perfumaria & cosméticos, alimentar, telecomunicações, agribusiness, saúde animal, material de construção, automobilístico, cartões de crédito, financeiro…

Home-Page: http://www.karenreis.com.br

C.Lattes: http://lattes.cnpq.br/8040688415669209

Principais referências Bibliográficas

ARAUJO, V. O impacto das redes sociais no processo de ensino e aprendizagem. 3ª Simpósio Hipertexto e tecnologias na Educação, 2010.

CASTELLS, M. A Sociedade em rede – a era da informação: economia, sociedade e cultura Volume I. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2007.

CHIAVENATO, I. Treinamento e desenvolvimento de Recursos Humanos – Como incrementar talentos nas empresas. 7ª Ed. São Paulo: Ed. Manole, 2008.

BARÇANTE, L C. Jogos, Negocios E Empresas. 1ª ed. Editora Qualitymark, 2007.

EBOLI, M. Educação Corporativa – Mitos e Verdades. 1ª Ed: Editora Gente, 2004.

GRAMIGNA, Maria Rita Miranda, Jogos de Empresa, São Paulo, Makron Books, 1993

FIGUEIREDO, K. P. R. . Cibernegócios. Pensou em negócios na rede, pensou ciber. 2010 (Artigo).

LEMOS, A. Cibercultura e Mobilidade. A era da conexão. Disponível em: <http://www.cem.itesm.mx/dacs/publicaciones/logos/anteriores/n41/alemos.html>.

MALDONADO, M. Bulliyng e Cyberbulliyng. O que fazemos com o fazem com conosco?. 1ª Ed: Editora Moderna, 2011.

SACCOL, A., SCHLEMMER. E, BARBOSA, J. m-Learning e u-Learning: novas perspectivas da aprendizagem móvel e ubíqua. 1ª Ed: Editora Pearson Education do Brasil, 2010.

SANTAELLA, L., FEITOZA, M. Mapa do Jogo. 1ª Ed: Editora Cengage, 2009.

SANTAELLA, L. Linguagens Liquidas Na Era Da Mobilidade . 1ª Ed: Editora Paulus, 2007

Saiba mais sobre o curso

http://cogeae.pucsp.br/cogeae/curso/4001

http://www.facebook.com/redessociaispucsp

Assuntos relacionados

Tags: , , , , ,

Sem comentários.

Deixe um Comentário