Resenha: Aspectos Comportamentais da Gestão de Pessoas

Resenha: Aspectos Comportamentais da Gestão de Pessoas

FORMULÁRIO DE RESENHA BIBLIOGRÁFICA

 

Adaptado do modelo de ANTÔNIO RUBBO MÜLLER

 

I – OBRA :

 

 

1. RESENHISTA : Karen Reis

2. AUTOR: Ivanildo Izaias de Macedo, Denize Ferreira Rodrigues,

Maria Elizabeth Pupe Johann e Neisa Maria Martins da Cunha

3. TÍTULO: Aspectos Comportamentais da Gestão de Pessoas

4. COMUNIDADE QUE FOI PUBLICADA: Rio de Janeiro, 2003

5. FIRMA PUBLICADORA: Editora FGV

6. ANO: 2003

7. NÚMERO DE PÁGINAS: 148

8. FORMATO: Médio

9. PREÇO: R$ 20,00

10. EDIÇÃO : 1ª

II. – CREDENCIAIS DOS AUTORES :

11.

Ivanildo Izaias de Macedo

Mestre em administração pública pela EBAPE/FGV e pós-graduado em educação e desenvolvimento de recursos humanos pela UFRJ. Diretor da Homo Novus Consultoria Empresarial. Professor da FGV Management.

Denize Ferreira Rodrigues

Mestre em administração pela COPPEAD/UFRJ, graduada em administração e em economia. Diretora de recursos humanos da UNIGRANRIO, e membro de comissões verificadoras do MEC. Professora da FGV Management.

Maria Elizabeth Pupe Johann

Mestre em administração pelo PPGA/UFRGS, graduada em administração de empresas pela UNISINOS. Membro de comissão verificadora do MEC. Professora da FGV Management.

Neisa Maria Martins da Cunha

Mestre em psicologia social e psicóloga pela UGF, terapeuta com formação em psicodrama pela SPRJ. Qualificou-se em educação para adultos pela University of Central Florida. Ex-docente pelas Universidades Gama Filho, PUC e UFRJ. Professora da FGV Management.

III. – CONCLUSÕES DOS AUTORES :

12.

Gestão de Pessoas é um campo novo, e estará sempre a mercê de mudanças e aprimoramentos, onde experiências de sucessos ou mesmo malogradas juntam-se aos conceitos já conhecidos para pavimentar a trajetória de sucesso que as Empresas tanto procuram.

Toda mudança inicia-se por um trabalho árduo de autoconhecimento que depende inteiramente da educação recebida pelo indivíduo (família/ambiente). Por sua vez, a aprendizagem nas organizações torna-se vital para todo o processo de inovação e sustentação de decisões e ações gerenciais, criando oportunidades de motivação – o elemento fundamental no jogo de resultados do qual toda organização deve participar.

A liderança, por sua vez, não se resume ao tradicional líder-colaborador, estende às mais variadas formas de relacionamento interpessoal e a capacidade de negociação para administração de conflitos, para o sucesso de Gestão de Pessoas.

 

VI. – RESUMO DA OBRA :

13.

Nem sempre nos damos conta, da avalanche de mudanças que está ocorrendo no ambiente organizacional. Na verdade, estamos assistindo, ao vivo e a cores, ao choque do futuro, descrito por Toffler, para quem o Conhecimento e o Computador tornaram-se os grandes ícones da chamada sociedade pós-industrial.

A organização do futuro terá um nível hierárquico menor. Esta realidade requererá trabalho, especialmente intelectual, porém cada vez menos empregos para tempo integral e a invasão de tecnologias estarão cada vez mais presentes nos lares, nas noites, nos fins de semana, nas férias etc.

As pessoas que se enquadram neste novo perfil são as pessoas de portifólio, que oferece mais alternativas para viver e sobreviver nos tempos de mudanças; agregam habilidades vendáveis, seja para uma grande organização ou para uma pequena empresa.

No contexto humano, sempre foi e será sempre objeto de estudo e pesquisa, desde Aristóteles (Macedônia, 384-322 a.C.) já procurava entender o comportamento humano; hoje sabemos que quando nascemos trazemos uma matriz (características físicas e potencialidades emocionais-perceptivas) que servirão como base no desenvolvimento psíquico e social.

O autoconhecimento é o ponto de partida para o processo de mudança pessoal, seja em situações prazerosas ou de conflito, especialmente se cada um souber compartilhar com o outro o que tem de melhor em si mesmo. Esses mecanismos de troca mútua incluem o desenvolvimento da capacidade para fazer e receber críticas construtivas, útil para formar equipes autogerenciais através da correção de desvios de condutas individuais – Feedbacks.

Atualmente, o mundo do trabalho requer um processo de aprendizagem contínua. Vale lembrar que a participação de um treinamento não é a garantia do aprendizado. Só é possível comprovar o aprendizado quando o individuo aplica a atividade para a qual foi treinada. A aprendizagem é fruto da prática.

Os métodos de gestão empresarial vêm passando por mudanças, especialmente no que se refere aos aspectos comportamentais. Essas diferenças aparecem com maior evidências nos modelos: burocráticos e contemporâneos; o primeiro, ou seja, burocrático o fundamental é obedecer a regras e diretrizes, e é capaz de produzir alienação e impessoalidade; o segundo, ou seja, contemporâneos o fundamental é contemplar a partilha, colaboração, confiança e a autoridade fundamentada no conhecimento – prioriza equipes.

O papel do líder é do educador na gestão do capital intelectual, buscando com perseverança atrair e preservar o conhecimento existente e gerar inovações pela criatividade de todos. Ensinar é promover a construção do conhecimento, pensar certo (valores éticos) e saber escutar, portanto, promover condições para esses conhecimentos sejam construídos pelo aprendiz.

Na Gestão de Pessoas a comunicação torna-se uma variável importantíssima, mas muitas empresas pecam pela falta de comunicação tanto interna (endomarketing) quanto externa. Não adianta ter conhecimento se não souber transmiti-lo a outros. Os canais de comunicação podem ser: formais, que são as informações que circulam pelo comando da organização; e as informais, são as informações que circulam em almoços, reuniões, “cafés” – conhecidos também como rádio-corredor.

Um outro ponto relevante no processo comportamental é a motivação, que significa motivo para ação e nasce da busca da satisfação de necessidades. O grande desafio do processo motivacional é descobrir o estímulo mais adequado, que por um desconhecimento pode causar a frustração, conseqüentemente o individuo cria “mecanismos de defesa”.

 

V – METODOLOGIA DOS AUTORES :

14.

Método dedutivo, partindo do geral para o particular.

 

VI – QUADRO DE REFERÊNCIA DOS AUTORES :

15.

Os quatros autores têm a titulação de mestres e todos participam como professores da FGV Management e contribuem com publicações para beneficiar o Curso de Gestão Empresarial – FGV Management.

 

VII. – QUADRO DE REFERÊNCIA DA RESENHISTA :

16.

A resenhista utiliza como quadro de referência a Gestão de Pessoas, Teoria Geral de Administração, Cultura e Desenvolvimento Organizacional e Gestão Estratégica das Empresas.

 

VIII. – CRÍTICA DA RESENHISTA :

17.

Os autores tratam de maneira lógica o tema Gestão de Pessoas, explorando o individuo, como ser humano que precisa de “estímulos” para conseguir sobreviver às mudanças que estão presentes  em nosso cotidiano organizacional.

 

 

 

IX. – INDICAÇÕES DO RESENHISTA :

18.

Indicado para as disciplinas: Gestão de Pessoas, Planejamento Estratégico, Planejamento Empresarial. Leitura de reciclagem e atualização para todas as áreas.

quinta-feira, 20 de maio de 2004

Publica

Assuntos relacionados

Tags: , , ,

Sem comentários.

Deixe um Comentário